terça-feira, julho 25, 2017

CGC: Curto & Grosso. E crível (Created and written By Nizi Silveira).

“A Operação Lava-Jato – tema sugerido pelo leitor Anônimo. Segue um post especial.


Em todo Salão do Automóvel o visitante se deparará com um (ou vários) “carro-conceito”. O que é um “carro-conceito?” É um veículo de visual alienígena, que jamais será produzido em massa, e que tem uma única finalidade: demonstrar ao visitante as últimas novidades tecnológicas, os recursos que, algum dia, talvez (e enfatizo: TALVEZ) vejamos em todos os demais veículos automotivos do mercado. Um “carro-conceito” é, ao mesmo tempo, útil e inútil (afinal, não há como saber se algum dia as tecnologias que ostenta serão, de fato, incorporadas nos demais veículos). Não obstante, ficam ótimos em fotos.

A Operação Lava-Jato assemelha-se a um carro-conceito. Ela é revolucionária, rende comentários, estampa revistas. Contudo, a probabilidade de vermos as ruas de 2030 serem tomadas por carros-helicóptero que se transformam em robôs dançarinos de salsa caribenha (e em discotecas, quando submersos) é infinitamente maior do que a probabilidade de vermos os acusados na Operação Lava-Jato fora das ruas (e sob cárcere) meramente até 2030. Ela é apenas uma demonstração do que justiça brasileira poderia fazer, acaso existisse, acaso fosse uma realidade cotidiana. A intuição me diz que um cidadão honesto que deve meses de IPTU, ou pensão alimentícia, ou que não dispõe da mastodôntica quantia necessária para abrir o inventário de um ente falecido (*aliás, meu caso), está com muito mais medo do dano que a gloriosa justiça brasileira poderá lhe causar. Se eu tivesse subtraído algumas míseras dezenas de milhões dos cofres públicos, sei que dormiria mais tranquilo.

O “carro-conceito” de 2020 fará com que o de 2017 pareça uma piada – já o acusado de 2017, estará livre, leve e solto em 2020, fazendo com que toda uma nação pareça uma piada. A Operação Lava-Jato é, ao mesmo tempo, útil e inútil. Não obstante, fica ótima em fotos.

Qualquer pretensa operação de inteligência minimamente séria e confiável não se concentraria apenas em averiguar e punir os delitos cometidos por fulanos e sicranos.  Lula e sua gangue, por exemplo, não são (e jamais foram) meros batedores de carteira; não são aquilo que os oficiais da Lava-Jato, aparentemente, acham que são. Não são indivíduos motivados por meras e efêmeras ambições materialistas, e tampouco por dificuldades de ordem materialista - são indivíduos motivados (e intoxicados) por uma ideologia. Tais, não podem (e jamais serão) intimidados. E, aos que ainda contestam a incapacidade de se intimidar um comunista inveterado (alguém a quem palavras como “moral” e “ética” soam como ofensas gravíssimas, execráveis valores burgueses, derivados de uma religião que tais indivíduos abominam confessamente, por crer que ela transforma machões em criaturas hesitantes e efeminadas), basta atentar para últimas notícias sobre a Coréia do Norte ou sobre a Venezuela, abrir uma enciclopédia, e/ou ler um espetacular clássico do colossal George Orwell.

Da mesma maneira que a China do século XXI é meramente a continuação da temível e extinta URSS (fato que faz com que a Guerra Fria esteja mais viva do que nunca), a corrupção na qual grande parte dos partidos políticos brasileiros está envolvida, é meramente a continuação de algo iniciado há décadas. Indivíduos morrem; ideologias partidárias não. De resto, a inabalável certeza de que em qualquer canto do mundo onde a falta de planejamento familiar for patente, sempre teremos algum Partido dos Trabalhadores olvidando esforços para destituir os indivíduos de todo e qualquer sentimento de culpa por suas ações insensatas, fornecendo-lhes uma vasta gama de bodes-expiatórios, e esmolinhas mensais. São “redentores” ansiosos por redenção – e, para esta, nada se provará melhor que a Operação Lava Jato. Um dispendioso “espetáculo midiático”, sobretudo para os que estão cientes da ineficácia e da puerilidade da justiça brasileira. E estes, são justamente os seus réus.
 
Status – Unmotivated; sick and tired of everything. I need money badly. Creating new riffs and solos. Away for a generation.

Lendo – “As pistas de Nazca” (Simone Waisbard). Na reta final.

Recomendado – One amazing video:

https://www.youtube.com/watch?v=hKVZra47dp0

Recomendado - My heroes talking about their new album:

https://www.youtube.com/watch?v=9oi4_VIeDY0

Escutando – How about another mix? Today, full of new stuff

Their new single just got an official videoclip:

https://www.youtube.com/watch?v=tFqFYHFNeCc

Another single/clip from the brand-new "The rise of chaos" album. Hey, don't drink the Koolaid, ok?

https://www.youtube.com/watch?v=Yq9XIkVX5bE

A legend (and the biggest nose in rock's story). His new clip/single. By the way: he's comming to Brazil.

https://www.youtube.com/watch?v=NlEcM53kj_I

Yup: another new single/clip. The band of one my favorite guitar heroes, George Lynch (huge fan of him since my 14's), and of course, Oni Logan's (Gene Simmons?) voice:

https://www.youtube.com/watch?v=ONZk7sof40w

Hey, guess what: another new vid/single. Vintage hard rock sound:

https://www.youtube.com/watch?v=WxzNSEyQfAw

Another single/clip:

https://www.youtube.com/watch?v=WgJUk5LYMcg

One more new single/clip:

https://www.youtube.com/watch?v=gvGRuRC-z50


segunda-feira, julho 03, 2017

Top… secret (By N.S).

- Para um velho amigo. Please: don’t believe in these words (or I gonna be in real trouble…). Semper-fi.

Segredinho número 1:

Um grupo de parceiros. Todos bilionários, e atuando em cooperação com um governo hostil ao ocidente.  Todos eles enriqueceram graças a concessões governamentais (*tal como o brasileiro Joesley Batista). No intuito de, gradualmente, destruir o ocidente (como retribuição          pelos favores que receberam deste governo), um deles torna-se um “tubarão” da indústria pop no ocidente. Contrata jovens, investe maciçamente em marketing, transformando muitas destas jovens ocidentais em “divas” de extremo sucesso em vários países do ocidente. Através dos empresários destas “divas”, suas instruções são transmitidas:

“Sejam provocantes, sejam subversivas! E não postem nada em suas redes sociais sem antes consultar vossos empresários, entenderam?”

Através de suas (sutis) instruções e de seus executores, ele adquire um exército de indivíduos que, aos poucos, se insurge contra as instituições e os valores de seus próprios países (refiro-me, evidentemente, aos fãs de tais fulanas). E, a pior parte: os que prestigiam/executam suas instruções (sorrindo e pulando) sequer sabem quem ele é; sequer desconfiam da manobra.

E este foi apenas o primeiro tubarão. Suas ações (*que visam a manipulação comportamental/ideológica) logram pleno êxito quando em sinergia com as ações dos outros “tubarões”.

Adendo: Breve exemplo de manipulação comportamental.

Um menino de 16 anos aborda uma menina de 15 anos, pedindo-lhe (em tom austero ou inamistoso):

“Rebole para mim”.

A menina se assusta e o repele. Todavia, se o pedido do menino tivesse sido feito num tom brincalhão/debochado, pleno êxito seria possível.

Segredinho número 2:

“Inteligência Superior” (*if you know what I mean...) compreende na realização de tarefas complexas através de métodos extremamente simples. Justamente por serem métodos simples (capazes de serem realizados por qualquer pessoa), precisam ser mantidos sob total sigilo. Se, por exemplo, fosse revelado que a depressão pode ser “remediada” através da “fabricação” de estímulos (fazer com que o paciente seja “bombardeado” com luzes e cores aprazíveis ao olhar, juntamente com a inalação de aromas aprazíveis ao olfato), toda uma cadeia de produção (responsável pela fabricação de antidepressivos) teria de ser extinta. Faz-se sumamente importante, portanto, manter tais técnicas sob sigilo para que a “roda do capitalismo” continue a girar. Já a revelação de que a grande maioria das plantas não-comestíveis possui uma seiva tóxica, e que esta seiva poderia servir de insumo para a fabricação de entorpecentes idênticos a cocaína/crack/heroína, é algo que tampouco tornaria o mundo mais seguro...

NOTA: Se eu fosse realmente corajoso, faria a seguinte revelação: um grande bloco de granito pode ser facilmente erguido do solo, bastando que um imã suficientemente magnetizado seja acoplado a ele. Mais um exemplo “de tarefa complexa realizada através de método simples” (passível de extinguir toda uma cadeia de produção/prestação de serviço).


Ops. Falei demais.

Status - Unmotivated. Couldn't find a better job. Hire me for something, people (I promisse to be a real retard brazilian professional).

Escutando - Yup: another musical mix 4 real men:

 Bad-ass vintage riff (my auto-bio song):

https://www.youtube.com/watch?v=gTYZWJEaOUA

Amazing one. From their current record: 

https://www.youtube.com/watch?v=Hcs0f_WX1Y8

Chris Jericho's band:

https://www.youtube.com/watch?v=lqURPBtGJzg

A classic. How not to love these legends? Up, marines. Up:

https://www.youtube.com/watch?v=2QMdN1y-omg





segunda-feira, junho 19, 2017

CGC: Curto & Grosso. E crível (Special Edition, By Nizi Silveira).

O “Gramcismo” – tema sugerido pelo leitor Anônimo. Segue uma explicação útil, conquanto superficial (tamanha a complexidade e abrangência do tema proposto), mas que, ainda assim, fará deste um dos posts mais importantes que já escrevi. Dedico este à casta jornalística brasileira (tão culta e bem informada...).


PARTE 1: Um pequeno exemplo.

Imagine que, às nove da noite, você ligou no noticiário noturno de sua predileção. Ao fim do noticiário, o âncora se despede desejando-lhe um “Bom dia”, ao invés de um “Boa noite”. Claro, o erro do jornalista talvez lhe divirta, mas certamente lhe deixará confuso. Horas mais tarde, você liga no noticiário matinal e, ao final deste, o âncora se despede desejando-lhe “Boa noite”, ao invés de “Bom dia”.

Dias se passam, meses se passam, e este (suposto) erro não é corrigido. Até que finalmente, você desiste. O (suposto) erro, agora, contará com sua total indiferença - ou, melhor dizendo: com a sua assimilação, sua passiva aceitação. Não mais lhe causará estranheza. Evidentemente, milhares de pessoas passariam pela mesma experiência.

 O Gramcismo é o resultado de um rigoroso estudo comportamental; é um artifício (conquanto rotulá-lo como “arma” tampouco constitua exagero) que “força” o discernimento humano à exaustão e, enfim, debilita-o severamente. A mais letal e eficaz das armas, justamente por ser extremamente sutil; imperceptível. Os (socialistas) que adotaram a técnica (fruto da doutrina pseudo-filosófica do maquiavélico italiano Antonio Gramci) sabiam até mesmo o tempo médio que um ser humano levaria para, finalmente, “cansar-se e desistir” - o que, invariavelmente, o faria substituir um conceito coerente, cristalizado em sua mente, por um conceito novo, não raro, inverossímil e injustificável.

 Faça com que “amor” torne-se “pegação”. Faça com que a voluntária perseguição do conhecimento seja vista como “coisa de nerd/loser”. Faça com que as mulheres sintam-se patéticas por cuidarem de seus maridos, cumprirem com afazeres domésticos, serem fiéis a um único homem e educarem seus filhos (*idéia que abalou severamente a instituição familiar, um dos últimos baluartes de defesa contra a intervenção ideológica Esquerdista). Faça com que crianças renunciem à infância. Faça com que o Filho de Deus seja visto como alguém pusilânime, disposto a perdoar tudo e todos. Faça com que tudo aquilo que não seja divertido/prazeroso seja visto e tratado com indiferença ou desdém. Faça com que a religião cristã seja vista como “coisa para velhos gagás”. Classifique tudo como “cultura” ou “arte”, adotando exclusivamente como critério o grau de repercussão midiática alcançado. Faça com que “velho/antigo” torne-se sinônimo de “ruim”, e “novo/novidade” torne-se sinônimo de “bom/útil”. Elimine a diferença entre “coisa para homem” e “coisa para mulher”.

Por intermédio do Gramcismo, tudo isso (e muito, muito mais) já foi feito. O Gramcismo é a força-motriz que conduz lentamente a humanidade à guilhotina. É o anticristo bíblico.    

PARTE 2: O motivo.

O objetivo principal (e último) dos adeptos e defensores da Globalização (no caso, os democratas e socialistas) não é a mera união de países europeus sob uma mesma moeda. Estes são os primeiros passos; um ensaio. O objetivo principal é união de TODOS os países do mundo, sob uma mesma moeda, sob os mesmos valores, sob uma mesma ideologia, sob uma mesma religião, e sob um ÚNICO governo – o que, enfim, dará origem à autêntica “Nova Ordem Mundial”, nomenclatura que suscita as mais diversas (e bizarras) teorias conspiratórias – e asseguro ao leitor que este post não é mais uma delas. Tal megalômano projeto foi denunciado pela primeira vez em 1932, pelo escritor britânico Aldous Huxley, em seu maior clássico, “Admirável mundo novo” (*aliás, um de meus livros favoritos – e uma das obras literárias mais influentes da história). Como Huxley, gênio das letras, sabia disso? Simples: ele fez parte do projeto. Sua obra-prima (uma gravíssima denúncia habilmente camuflada de ficção científica)constitui, igualmente, um pedido de desculpas à humanidade.

 Todavia, para que tudo isso ocorra, os valores, conceitos e tradições das sociedades precisam ser, gradativamente, eliminados - e substituídos por outros. É exatamente esta a função do Gramcismo e de seu “subproduto/fiel escudeiro”: o “Politicamente Correto” (leia-se: a censura camuflada de polidez, e, portanto, quase sempre interpretada equivocadamente como demonstração de bons costumes ou tolerância). Aliás, o simples fato do “politicamente correto” (que certamente não é ficção científica) ter surgido praticamente da noite para o dia, e cristalizado-se em boa parte do mundo, como se fosse algo inerente à civilização ocidental desde o advento dos tempos, já atesta a eficácia do Gramcismo (*leia-se: a gradativa debilitação do discernimento, através da difusão simultânea de idéias, conceitos e estímulos contrários; incompatíveis uns com os outros. A fusão de “sinônimo” com “antônimo”).

 Nesta vindoura “sociedade global”, os escassos cidadãos ainda capazes de discernir e contestar, serão devidamente silenciados e combatidos pelos ditames pseudo-éticos do “politicamente correto” - que, até lá, haverá de tornar-se uma implacável ferramenta de opressão. O crime perfeito.
Acaso o leitor necessite de uma evidência adicional quanto à eficácia do Gramcismo, dou-lhe uma sugestão: vá lá fora e veja quantas pessoas ainda são capazes de definir o significado de palavras como “otário”, “cultura”, “macho” e “gentalha”. Por fim, regresse com a seguinte certeza: esta catástrofe está apenas começando.

*NOTA: Para informações mais precisas e detalhadas sobre o tema, recomendo duas obras literárias imprescindíveis: “A Nova Era e a revolução mundial”, e “O jardim das aflições”, ambas, de Olavo de Carvalho (*para este, o maior brasileiro de todos os tempos).

Status – Bored. I need a better job. I need $. I miss my Juliana Bernadino (my eternal love). I wish I was an authentic Brazilian retard, so she could love me till the end of days…

Recomendado - Espetacular entrevista conduzida por Danilo Gentili:

https://www.youtube.com/watch?v=eAimet7g1to

Escutando – Yup; time 4 another heavy mix for real men.

Their new single (a killer one):

https://www.youtube.com/watch?v=hvyVuvbm1Sc

Their new clip (for one amazing classic):

https://www.youtube.com/watch?v=wpxWoikZZww

Legends (at their final tour). Time 4 some pure nostalgia:

https://www.youtube.com/watch?v=JZGxOBeESnY

  A band that resurrects the talent of one of my favorite guitar-heroes: Jake E Lee.

https://www.youtube.com/watch?v=u2ogR89D6UQ

…and one amazing ballad, by Chris Cornel:


https://www.youtube.com/watch?v=cy2ZUGc2mSs

sexta-feira, junho 02, 2017

CGC: Curto & Grosso. E crível (Created and written By Nizi Silveira).

“O jornalismo brasileiro” – tema sugerido pelo leitor Anônimo. Segue um post especial.

Inicio este post expondo o seguinte fato: não é preciso abraçar e beijar o vilão para agradá-lo, conferindo-lhe desmedida autoconfiança; para tanto, basta criticar ou menosprezar o herói.
Nenhuma outra instituição se interessa mais pelo progresso e o bem estar de um país do que as forças armadas. No Brasil ninguém nunca ouviu (ou ouvirá) a casta jornalística expressar uma única opinião minimamente favorável às ações perpetradas pelas Forças Armadas Brasileiras, durante os anos de ditadura militar. Sequer conseguem interpretar tais ações como “duras, porém, inevitáveis”. Aliás, eis os tais “horrores” da ditadura militar brasileira: a censura e a perseguição implacável à células comunistas paramilitares, com o intuito de impedir que seus membros fizessem com o Brasil, já nos anos 60, o que estão fazendo hoje. Ironicamente, os EUA tomaram iniciativa similar, com o mesmo intuito, ainda que por muito mais tempo (e gastando quantias inimagináveis), e não vemos jornalistas brasileiros criticando as forças armadas americanas por impedir a expansão socialista no planeta. Felizmente, uma injustiça a menos.

  Finda a ditadura militar brasileira (que vitimou quinhentas pessoas, quinhentos opositores, em pouco mais de duas décadas de existência), finda a censura (*artifício que, apesar dos pesares, impedia os verdadeiros inimigos da pátria de ter acesso a informações que lhes fossem profícuas) finda a perseguição aos comunistas, inicia-se o linchamento aos militares brasileiros por boa parte da casta jornalística brasileira. Criticando os heróis (por anos e anos), conferiram desmedida autoconfiança aos vilões.

Que o leitor imagine a seguinte situação: Um carrasco nazista, um Adolf Eichman, está com uma criança judia no colo, rumo a um campo de extermínio. De repente, dez soldados americanos, desconfiados da cena, barram sua passagem. Ele, o carrasco, com suor nas têmporas, temendo um merecido espancamento, justifica-se, dizendo: “-Eu estou apenas levando esta linda criança para passear”.  

Com a falência do socialismo ao redor do mundo, proclamar-se socialista já não era motivo de orgulho a ninguém. Então, todos os Esquerdistas que militavam pelo socialismo, que orquestravam atos terroristas em seu louvor (*e que custeavam boa parte de suas atividades através do tráfico de drogas – lembrando que o Comando Vermelho, como o próprio nome sugere, foi fundado por militantes socialistas, tornou-se uma mega-organização criminosa com o decorrer dos anos, e provavelmente financia partidos políticos até o presente dia), durante os anos de ditadura militar, habilmente, mudaram de postura:

-“Nós? Militantes socialistas? Terroristas treinados em Cuba? Espiões de Moscou? Traficantes de drogas? NÃO! De forma alguma! Combatíamos em nome da democracia! A mesma democracia que nos foi tirada pelos militares perversos deste país! Snif!”.

A casta jornalística brasileira não apenas engoliu esta história (que, aliás, é a ÚNICA versão que a maioria da população brasileira conhece e admite), como concedeu anistia moral a estes indivíduos. Resultado? Os criminosos e terroristas de ontem, hoje, posam de patriotas, posam como arautos dos mais excelsos valores republicanos. Tragédia pouca é besteira.   

Ovacionaram efusivamente a recém-conquistada democracia (aliás, uma democracia virtual), ignorando que todos os partidos políticos em disputa eram compostos (e financiados) por estes indivíduos. Deixaram o carrasco fazer seu trabalho e, não suficiente, convidaram-no para jantar – apenas para, posteriormente, ouvi-lo reclamar do manjar cordialmente oferecido.

Hoje, o Brasil apresenta um cenário político constituído exclusivamente por partidos de Esquerda (afinal, um partido de Direita seria imediatamente associado aos “monstruosos” militares brasileiros), cinquenta mil pessoas são assassinadas anualmente (muitas delas vítimas de organizações criminosas – que, como dito anteriormente, foram criadas por militantes socialistas, durantes as décadas de 60 e 70), a legislação é obsoleta e ineficaz (propositadamente, dada a conjuntura. Talvez numa maneira de recompensar organizações criminosas pelos prestimosos serviços prestados), a liberdade de expressão é frequentemente confrontada com o execrável “politicamente correto” (leia-se: o gradativo cerceamento da liberdade de expressão, através de regrinhas supostamente éticas, elaboradas por criminosos de longa data. Em outras palavras: CENSURA), o mais execrável e maquiavélico Gramcismo impera absoluto, e a casta jornalística brasileira ainda se diz estarrecida com tudo isso.

Desmoralizaram os heróis, desprezaram o heroísmo. Agora, aguentem os vilões e a vilania. 

Status – Unmotivated. Miss the Pimpa bros. I need a better job (hire me, people. I promise to be an empty-headed moron, like most people at my age). Away 4 a while.

Escutando – Today, a humble (and sincere) tribute to fallen rock hero: singer Chris Cornell (committed suicide at the age of 52, some weeks ago). Rest in Power; I was a huge fan, since the glorious high-school days.

Opening song from “Casino Royale”:

https://www.youtube.com/watch?v=867iyhVFyEw

One of his many musical projects, during the grunge Era:

https://www.youtube.com/watch?v=VUb450Alpps

One of his most popular projects:

https://www.youtube.com/watch?v=vVXIK1xCRpY

…and one amazing ballad:

https://www.youtube.com/watch?v=3mbBbFH9fAg

terça-feira, maio 16, 2017

CGC: Curto & Grosso. E crível (Special post, Created and written By Nizi Silveira).

“Por que o Brasil é tão corrupto?” – inquire o leitor Anônimo. Segue um post especial, dividido em dois capítulos – e dedicado aos escassos amantes da temível coerência.

CAPÍTULO 1: Da corrupção social.



Compartilho com o leitor aquela que talvez seja a única lição realmente útil e relevante que aprendi com a publicidade: TUDO é passível de mudança, desde que através da abordagem certa.
Se eu ou você tentássemos convencer lindinhas de balada a mastigar fezes equinas, dificilmente lograríamos algum êxito. Porém, um Luan Santana, um MC ou uma Ivete Sangalo conseguiriam hordas de orgulhosas comedoras de merda num piscar de olhos. Para ser famoso em países subdesenvolvidos, basta encorajar excessos ou intensificar a estupidez coletiva. O político que olvidar esforços em conscientizar a população quanto à importância do planejamento familiar, será imediatamente trocado pelo político que prometer remuneração à gravidez imprevidente (*aliás, é esta a razão de só existirem partidos de Esquerda no cenário político nacional - fato que, por sua vez, faz com que “democracia” torne-se uma palavra vazia por estas paragens). O padre que disser que só a educação, o conhecimento e a cultura conduzem à virtude, que só a virtude conduz à fé, e só a fé conduz a Deus, será trocado pelo pastor evangélico que promover a ganância, e prometer o sucesso profissional por uns míseros trocadinhos. E miríades de Etcs.

Dito isso, eis um dos motivos que fazem do Brasil um dos países mais corruptos do mundo (e da história da humanidade): a casta falante, os detentores do poder de influenciar, jamais utilizam tal poder para o bem. Não raro vemos na TV alguma diva das adolescentes dizendo-se estarrecida com a situação do país; mas nunca veremos esta mesma fulana tentando consertar os estragos que provoca no público acéfalo que a prestigia. Recadinho tais como “usem camisinha”, “tenham personalidade: não beijem quem vocês não amam”, “leiam”, acaso divulgados na rede social de uma funkeira famosa, salvariam mais vidas em meia hora (e pelos quatro cantos do país) do que um bombeiro, um policial militar ou mesmo uma delegacia da mulher, salvam em uma semana. Se um rapper percebesse que todos os problemas sociais que denuncia em suas letras são produzidos por fulanas que engravidam sem dispor de nenhum tipo de recurso (e, no mais das vezes, sem sequer apresentar um nível mínimo de escolaridade) e que, consequentemente, foi sua própria mamãe quem o colocou numa vida árdua e miserável, talvez suas letras pudessem realmente reverter o cenário que tanto lhe desagrada. Já a mensagem “Isso é apenas um jogo de futebol. Esporte é diversão, não é guerra”, acaso exibida antes do início de cada partida de futebol, diminuiria drasticamente a violência nos estádios. E, claro: se a mídia televisiva brasileira não conferisse tanto glamour às favelas, muito poderia ser evitado - afinal, não há muita diferença entre conferir glamour a uma favela e conferir glamour a um país dominado pelo Estado Islâmico.

Perto de tudo isso (e nem foi tanto assim), políticos corruptos tornam-se meros pivetes batedores de carteira; inevitáveis moscas no topo deste monte de merda verde e amarela.

Concluo expondo os três maiores males do mundo, de acordo com o Eclesiastes: O pobre orgulhoso, o rico ganancioso, e o velho burro. E, se o velho burro merece especial atenção, é porque apenas ele dispõe daquela aura de respeito e devoção que só cabelos brancos conferem; só ele seria capaz de transformar os outros em coisa melhor, mas, no entanto, nada faz. O velho burro é a casta falante brasileira, que embora não possua cabelos brancos, possui a fama – e a aura de respeito e devoção que esta confere, e que é mais do que suficiente para a realização de grandes transformações.

CAPÍTULO 2: Da corrupção política.

Ao contrário do que muitos sugerem, a democracia brasileira não é doente; para ser doente, ela precisaria, antes de tudo, existir. Como dito no capítulo anterior, TODOS os partidos políticos brasileiros são, rigorosamente, partidos de Esquerda. Eis a única diferença entre um partido genuinamente socialista/comunista (PT, PC do B, PSOL, etc...) e um partido social-democrata (PSDB, etc...): enquanto o comunista declarado visa instaurar o socialismo à curto prazo e às custas dos direitos democráticos (como ocorrido recentemente na Venezuela), o social-democrata cheirosinho e empertigado, crê ser possível implementar o socialismo gradativamente, sem sacrificar os direitos democráticos (algo que, diga-se de passagem, nunca ocorreu na história da civilização contemporânea).  Ambos trabalham pelo mesmo objetivo: a utopia socialista do Estado laico, da “Igualdade Social” (assunto sobre o qual já discorri, recentemente). Suas divergências são meramente operacionais.

Produz-se assim a seguinte aberração: indivíduos que vivem num sistema capitalista, trabalhando em detrimento ao socialismo – algo semelhante a um vírus de computador, gradualmente deteriorando a máquina que lhe hospeda. Que o leitor considere o seguinte exemplo: de um lado, um fazendeiro. Do outro, um cortador de cana. Um socialista/social-democrata, criaria um programa social (ineficaz), que daria um dinheirinho ao cortador de cana. Jamais ajudaria o fazendeiro, caso contrário seria contemplado com toda sorte de rótulo depreciativo. Todavia, se optasse por ajudar o fazendeiro com alguma vantagem fiscal, este teria mais recursos e, portanto, contrataria MAIS cortadores de cana (que passariam então a receber salários, ao invés de esmolas governamentais, que, em longo prazo, sangram os cofres públicos), e as condições de trabalho do cortador de cana também seriam beneficiadas, já que agora o fazendeiro teria recursos para a aquisição de maquinário agrícola. Isso, é um exemplo de “trabalhar em detrimento ao capitalismo” – isso, é o que casta dirigente JAMAIS fez (*razão de ser do alto custo para contratação de empregados no Brasil).

Ao não ajudar o fazendeiro (que, neste exemplo, corporifica o capitalismo), ao rotular o fazendeiro de “burguês safado”, tais partidos políticos, além de atrofiarem a economia, também afugentam preciosos patrocinadores de campanha – afinal, nenhum empresário, nenhum banqueiro, nenhum industrial em sã consciência, investiria seu rico dinheirinho em quem o despreza, certo?
Surge assim o famigerado “Caixa 2” – a verba para financiamento de campanha política obtida por vias escusas, em troca de vantagens ilícitas (*como vemos nos escândalos relacionados aos contratos obtidos pela Odebrecht, entre outras).

Por que estes indivíduos trabalham em detrimento ao socialismo? Simples: em países subdesenvolvidos o número de pobres é maior. Com a criação de programas sociais, a pobreza deixa de ser combatida, e passa a ser remunerada (afinal, são programas ineficazes). Com tal estratégia, garante-se um número de fiéis eleitores, que tornam-se credores permanentes do Estado (entenda-se: pessoas que simplesmente não conseguirão viver sem a ajudinha do Estado),e, na medida em que passarão a depender do Estado para absolutamente qualquer coisa, dotam-no com um nível de poder que, em outras circunstâncias, jamais teria (*o “politicamente correto” vigente, é um dos efeitos colaterais desta “overdose de poder” da qual padece o Estado).

 Eis o porquê de toda e qualquer decisão de cunho socialista culminar numa ditadura: criar (ou aumentar o número de) “credores do Estado” é criar escravos do Estado. A corrupção estatal (inevitável em países sob a égide de governos socialistas/democratas, desde que o mundo é mundo) surge com a certeza de que boa parte da população já se encontra devidamente instalada no colo do Estado. A polêmica “Reforma da Previdência”? Nada mais é que o prévio reconhecimento da casta socialista governante da ineficácia (e incoerência) de sua ideologia política. Ora, como custear a atual e as vindouras gerações de “credores do Estado”, e, ao mesmo tempo, custear as aposentadorias? Aumentando o tempo de contribuição – e gerando com isso um eventual congestionamento no mercado de trabalho, afinal, com idosos trabalhando por mais tempo, menos vagas de emprego disponíveis aos recém-ingressados no mercado de trabalho.    

Coitadinhos são fruto da falta de planejamento familiar e, onde existirem, existirão igualmente hordas de Esquerdistas corruptos e oportunistas, ofertando-lhes o pão, e omitindo-lhes a pancada. Os que assumidamente governam para os pobres sempre haverão de se certificar de que pobres existam – e sempre olvidarão esforços para que jamais deixem de existir. “Esquerda”, portanto, é, sempre foi, sempre será, sinônimo de corrupção.



Status – Looking 4 a better job. Away 4 a while.
Recomendado – One insane accident, which occurred a few days ago at Kansas Motor Speedway. For Nascar fans (Oh, of course: best wishes for the pilots):

https://www.youtube.com/watch?v=JAtcX0QhzWU

Recomendado - Funny stuff! My biggest musical idols with some embarassing confessions...

https://www.youtube.com/watch?v=wSpSwDZP-Uk

Escutando – Another heavy-duty musical mix 4 real men.

New clip/single. Turn it up, ‘cause…(Judas's babies):

https://www.youtube.com/watch?v=q73Zao79sWI

Another great single from their latest record:

https://www.youtube.com/watch?v=zFP2f_PEE6c

Guess what: the eternal metal gods just released another live-album/dvd, titled “Battle Cry”. So here’s a cutie, one of their biggest anthems, live. You welcome:

https://www.youtube.com/watch?v=BEfOGyvyfFY

…and, of course, a ballad:


https://www.youtube.com/watch?v=KYjNc4lNfso

quarta-feira, maio 03, 2017

CGC: Curto & Grosso. E crível (Created and written By Nizi Silveira).

O apocalypse” – tema sugerido pelo leitor Anônimo.


O primeiro passo rumo ao apocalipse foi dado séculos atrás, quando da ruptura da Igreja com o Estado. Exponho um fato com o qual até mesmo o mais obstinado (e cretino) dos agnósticos dificilmente discordará: ainda que a Igreja Católica seja, como toda e qualquer instituição, passível de deturpação e corrupção (algo que, de fato, aconteceu em diversas ocasiões, ao longo dos séculos – e que sempre acontecerá), capaz de ser tomada por ratos ou por doentes mentais (como no caso das atuais acusações de pedofilia contra membros do clero), ainda assim, a ideologia/filosofia cristã que a embasa, é eterna e imutável. Consequentemente, as palavras proferidas numa missa sempre foram (e serão) as mesmas, independentemente de serem proferidas por um homem probo, sábio e santo, ou por um monstro de batina.

Já no Estado liberal (também denominado “Estado leigo”, porquanto não propaga nenhum tipo de crença espiritual aos cidadãos), que, ao romper os laços que o unia com a Igreja, tornou-se o soberano absoluto da humanidade até o presente dia, a própria ideologia é passível de ser deturpada e corrompida, fazendo com que todo o resto (entenda-se: as instituições e a moralidade pública), caiam instantaneamente, em efeito dominó. Enquanto a Igreja Católica se apega às palavras e mandamentos imutáveis da Bíblia, o Estado se apega aos ditames éticos assegurados pela Constituição e pelo Código Penal – e ambos, sempre foram e serão alterados ao bel prazer dos estadistas, de acordo com as exigências do momento (como ocorre nas democracias), ou de acordo com as conveniências de um único indivíduo (como ocorre nos regimes despóticos). Portanto, em matéria de loucura, imoralidade e crueldade, o Estado leigo sempre superou e sempre superará qualquer abuso que Igreja Católica tenha cometido ou que possa vir a cometer. Convenhamos: sociedades constituídas por indivíduos que não roubam e/ou matam por temer às leis de Deus, são infinitamente mais seguras do que sociedades compostas por indivíduos que temem exclusivamente às leis concebidas por fulanos engravatados ou fardados. Temer o inferno é mais profícuo ao desenvolvimento ético e moral da humanidade do que temer a carinha zangada de um guardinha de dezenove anos ou de um delegado tiozão – ambos, meros funcionários do Estado.

A partir do momento em que o Estado (ou “a idéia de Estado”) tomou as rédeas da humanidade, a Igreja tornou-se algo secundário, destituída de relevância, e tudo aquilo relacionado a Deus, por consequência, foi engavetado. Cientistas foram perseguidos e punidos pela Igreja? Sim, foram. Mas porque atuavam a favor de Estadistas (reis e nobres), e estes estão tão preocupados em transformar o mundo num lugar pacífico quanto a televisão (imprescindível instrumento do Estado) está preocupada em deixá-lo menos ignorante – ou quanto este que vos escreve está interessado em defender algum time de futebol, seja através de argumentos ou ofensas, seja enristando uma barra de ferro. Sempre existiram motivos racionais por trás de toda surra dada à humanidade por intermédio da Igreja – e o mesmo jamais poderá ser dito acerca das surras dadas pelos Estados. O simples ato de esconder alimentos condenou ao fuzilamento milhões de civis soviéticos. O mero aspecto físico de um indivíduo já era suficiente para que ele fosse classificado como “racialmente inferior” na Alemanha nazista. Usar óculos e possuir uma bicicleta? Já era suficiente para ser rotulado como “Inimigo do Estado”, durante a Revolução Cultural Chinesa.  Já nos Estados liberais/leigos, a mera exibição de cenas minimamente provocantes/sensuais protagonizadas por personagens criadas pela indústria pop, já são suficientes para fazer com que uma menina de quatorze anos transforme-se na “piriguete do bairro”; um simples joguinho de bola não precisa de muito para tornar-se “questão de vida ou morte” (como se gritar por meninos que correm atrás de uma bola fosse a atitude mais madura e viril de todas...). E infinitos “Etcs”.

Em suma, na medida em que a Igreja perde a influência, tanto a crença em Deus quanto a crença no inferno, perdem a relevância. O ódio do oriente pelo ocidente, exteriorizado pelos extremistas islâmicos, pode, sem exagero, ser traduzido da seguinte maneira:
“Ora, se estes ocidentais foram infiéis a ponto de trocar suas próprias crenças religiosas pela crença em teorias científicas que mudam de tempos em tempos, foram capazes de trocar os seus próprios mandamentos divinos pelas regrinhas impostas por políticos, foram capazes de trocar o louvor ao seu Deus pelo louvor a celebridades e times de futebol, imaginem o que não fariam com a nossa crença e com os nossos valores? Portanto, às armas!”.
   O atual ocidente prova que, quem não acredita mais em Deus, acredita em qualquer bosta.


Status – Unmotivated, but Stuyding. I need Money (shit).

Recomendado – O livro “Kiss and Make-up” (Gene Simmons). Autobiografia de um dos maiores rockstars da história.

Recomendado – O clássico “Moonraker” (Ian Fleming). Sou fã de James Bond desde a infância, e digo sem o menor remorso: os livros nos quais os filmes clássicos se baseiam, são infinitamente melhores que qualquer filme da franquia 007. Impossível parar de lê-los.

Recomendado - Wrestlemania 33 (2017). Clash of legends: Bill Goldberg Vs The beast Brock Lesnar. Awesome show:

https://www.youtube.com/watch?v=jvphSHpUuxM

Escutando – Yup: let’s mix things up again, shall we...?

Another kick-ass clip/single, from their most recent record:

https://www.youtube.com/watch?v=djzXuTZq55g&list=PLxKHVMqMZqUSSF7Ut1m0CKPp6NPvu_wsM

Time to overrule some objections… A great track from one of my favorite records:

https://www.youtube.com/watch?v=k6WQxH6s0_o

Good tune from one obscure hair-metal band of the late 80’s:

https://www.youtube.com/watch?v=GmxK9CS3RV0

…and, of course, a nice ballad, from a living-legend:


https://www.youtube.com/watch?v=cVvwO7pvX5E

segunda-feira, abril 17, 2017

CGC: Curto & Grosso. E crível (Special edition, Created and written By Nizi Silveira).


Se esta é a Era mais tecnológica da história humana, consequentemente, é uma Era que poderá trazer em seu bojo colossais benefícios (ao menos aos que disporem de recursos para usufruir deles), mas que, certamente, trará colossais malefícios – e os que serão vítimas inermes destes,  não precisarão gastar um centavo.

O que impossibilita o século XXI de ser visto tal como é (no caso, como a Era da banalidade e da solidão), é o alvoroço criado em torno da tecnologia. Eis algo com o qual qualquer publicitário dificilmente discordaria: subordinar tudo à tecnologia, culmina, invariavelmente, em subordinar tudo à publicidade, porquanto um não sobrevive sem o outro. Aliás, foi a própria publicidade a responsável por este processo de recíproca “glorificação” (publicidade enaltecendo a tecnologia, e tecnologia atuando em detrimento à publicidade). Fazer isso é comprar uma passagem só de ida ao mundo da banalidade, o mundo dos “pseudo-conceitos”.

 A partir daí, “artistas” serão aqueles com mais de quinhentas mil visualizações no Youtube, “formadores de opinião” serão aqueles com mais de um milhão de “Curtidas”, e, gradualmente, o ser humano vai se tornando (ou se consolidando como) marionete de personalidades constituídas por pixels, no afã de não se tornar um forasteiro em seu próprio mundo, tal como muitos humildes agricultores da Alemanha dos anos 30, que aderiram aos pseudo-conceitos éticos e progressistas do nazismo para não serem vistos como esquisitões cafonas, ou tratados como inimigos do Estado. A Razão, a individualidade, o discernimento, a espontaneidade, a cultura, o conhecimento e os juízos de valor que deles se derivam, sempre foram (e serão) os inimigos naturais da publicidade. No mundo da publicidade, não existe qualitativo”, apenas quantitativo” - de modo que, quem estiver à procura dos momentos mais catastróficos e lúgubres da história contemporânea, está, inevitavelmente, à procura de momentos em que a publicidade, o neo-farisaísmo, reinou absoluta. Se, como a História atesta, a semente do mal é constituída por falsas idéias e conceitos sem fundamento que, mediante difusão desenfreada, moldam paulatinamente o caráter e a personalidade, o “ser-pensar-agir” dos indivíduos, e instauram-se como Verdades Eternas, no século XXI, tal semente encontrará o mais fecundo dos terrenos. Tal como dito em meu post anterior, tudo o que os países latinos obtiveram ao conferir uma aura messiânica à televisão (tornando-a exclusiva fonte de referência para tudo), foi a degenerescência total dos valores e costumes de suas sociedades. Conferir à tecnologia do século XXI esta mesma aura messiânica, desta vez, em escala global, dificilmente deixará as coisas mais aprazíveis.

A solidão? Esta surgirá no alvorecer da maturidade intelectual do indivíduo (que, nos dias atuais, torna-se cada vez mais tardio), quando ele finalmente constatar que tudo ao redor, tudo neste inferno tecnológico, foi reduzido a mero entretenimento, e, portanto, impossível de ser contemplado com seriedade – ou, pelo menos, com aquele nível mínimo de seriedade, tão necessário para que a vida tenha algum sentido. Para amar, ele não encontrará nada além de fulanas e fulanos aos quais o beijo e o sexo são tão significativos quanto um aperto de mão, e que prefeririam morrer a se relacionar com alguém fora dos padrões estéticos “do momento”. Para os olhos, nada além de obras cinematográficas feitas em computação gráfica que contam historinhas pueris de gente que voa, e solta raios com os olhos. Para os ouvidos, o bate-estaca eletrônico e artificial, ou refrãos compostos por engravatados e interpretados por ídolos fabricados nos corredores de suas empresas. Já o conhecimento (*inconcebível sem a leitura), não tardará por ser totalmente absorvido pela leitura compulsiva de recadinhos via-smartphone, enquanto a inteligência artificial colherá as ovações outrora reservadas à inteligência humana.
O que veremos é a transformação do planeta em algo equivalente a uma revista de moda, onde inexiste o “Certo” e o “Errado”, o “Bom” e o “Ruim”, o “Relevante” e o “Irrelevante” – existem apenas o “comercialmente viável” e o “comercialmente inviável”, e estes moldarão o comportamento humano nas próximas décadas.

O mundo da publicidade é o mundo da tecnologia (ou vice-versa); é o mundo das tendências transitórias, e, portanto, é o mundo da banalidade, que não tarda em transformar-se no mundo do desamparo, no mundo da solidão. O século XXI constitui, desde já, uma longa marcha da vaca rumo ao brejo.
      

Status – Bored. Still looking 4 a better job. Anybody looking 4 a writer? Tell me now, please. I need cash. Oh, and by the way: still miss my Julianinha Ernandes (my eternal love, since 2007). Right now she’s probably kissing (or even fucking) some Edivaldos, Créberçoms (as seen on Datena), and so on. I wish I was a brainless faggy moron so she could love me till the end of days. Unfortunately, I read a lot, I have tons of personality, I don’t listen to bullshit third-world music for little girls, never gave a shit about soccer, and, most important: I don’t hang-out with morons. That’s the American way. That’s the bottom line, cause Stone Cold said so (hehe). Oh: but still miss her anyway.

Recomendado – O livro “O jardim das aflições” (Olavo de Carvalho – para mim, o maior brasileiro de todos os tempos). O livro mais importante que já li.

Lendo“Kiss and make-up” (Gene Simmons). Biografia de um dos maiores rockstars da história. Thanks 4 the gift, Pimpa Jr.

Escutando - ...and here comes another mix:

One my favorite bands released a new record last year. However, I was sloppy and didn’t say a single word about it (geez…). Now, time to bring up some justice. Their new single:

https://www.youtube.com/watch?v=wFmX-CqzKW4

A new clip/single (are they fucking kidding me?). Legends (fan since 2002):

https://www.youtube.com/watch?v=E2lRHjToqEY

Great fan-vid made for one of their biggest anthems. Do a favor to yourself, and turn it up, will ya?:

https://www.youtube.com/watch?v=87tjKGPk7X8

Oh, and a classic well-known grunge ballad:

 https://www.youtube.com/watch?v=J_sEtNrYlC4